sábado, 23 de outubro de 2010

Lua cheia em ♈

em assuntos de astrologia, não sou leiga nem sábia e o pouco que sei é mais intuído do que fruto de estudos profundos. aqui e ali vou lendo umas coisas e aprendendo outras tantas, já fui vezes sem conta ouvir quem realmente percebe a linguagem dos astros falar do meu mapa, eu própria pinto mapas da alma, mas sempre guiada por intuições e por cores, mais do que por definições ou conceitos mentais. afinal, a astrologia é uma linguagem simbólica, onde podemos ver tudo e todos. onde, mesmo sem sermos peritos ou sábios nas coisas dos astros, intuímos do seu movimento as energias que nos dizem respeito e que de nós fazem parte.
uma Lua cheia em Carneiro diz-me respeito, não só porque é nesse signo que a tenho e que, por estar oposta ao meu Sol, em Balança, significa que, quando nasci, às dez e um quarto da noite, estava uma noite de Lua cheia, mas também porque neste momento da minha vida o meu oposto e complementar é Carneiro. sim, Carneiro é sempre o signo oposto e complementar de Balança, mas nem sempre foi o signo do 'meu' companheiro.

hoje, ao ler este texto e a reflexão que propõe, se a isso estivermos dispostos, mergulhei no tal eixo Carneiro-Balança que é, afinal, a relação do eu com o outro. há muitas formas de relacionarmos o eu com o outro. a mais fácil, mais comum e mais tentadora é projectar sobre o outro os desejos e as expectativas que o eu que é nosso transporta e esperar que ele as cumpra. mais cedo ou mais tarde, a frustração de o outro, afinal, ter desejos e expectativas diferentes e não poder, por isso, ajudar a que se cumpram as nossas virá ao de cima. com Saturno neste momento em Balança, as relações que funcionam no pressuposto de que virá um outro fazer-nos felizes para sempre têm os dias contados. a ilusão de que o alívio para as nossas feridas chega em regime de ambulatório pelas mãos de um 'enfermeiro' disponível, gentil, amoroso, impede que se manifeste o dom de curadores que todos nós temos. e o eu tem sempre feridas algures a precisarem de cura, buracos que ao longo dos anos não soube tapar, frinchas por onde a luz escapa, arestas que urge limar. pôr no outro essa responsabilidade é um equívoco a que já cedi muitas vezes. 'anda cá e dá-me colinho e diz que vais amar-me para sempre' é ladainha de belas adormecidas - patetas e alimentadas por anos e anos de contos de fadas - que decidiram que só acordavam quando o princípe viesse beijá-las.

eu dormi muito tempo esse sono encantado e até tive alguns princípes que me beijaram  e que prometeram amar-me para sempre, é verdade. e, afinal, tudo em mim continuava dormente. as feridas, ainda, todas latentes, os buracos à vista e eu a escapar-me por eles, a afundar-me e sem querer sair lá de dentro para não ter de enfrentar o mundo da Alice, de pernas para o ar, sem as maravilhas  - e sobretudo os maravilhosos - que julgava merecer. 
mas a vida não é um conto de fadas e ainda bem que não é. o que não quer dizer que a magia não esteja presente em cada dia das nossas vidas... o perigo é confundirmos magia com ilusionismo e deslumbramo-nos com os seus truques banais. quantas vezes não me deslumbrei  eu com coelhos que foram saíndo de tantas cartolas e não achei que o milagre da multiplicação de lenços de seda a sairem dos bolsos eram a prova provada de que, finalmente, um mágico tinha chegado aos meus braços? quantas vezes não quis entrar no baú forrado de estrelas para que as espadas me trespassassem e eu, afinal, saísse inteira e incólume do seu interior de fundos falsos e outras quimeras? quantas vezes não me entreguei a valetes de copas achando que, com esse trunfo nas mãos, o jogo só podia estar ganho?

ilusão e magia são mesmo coisas diferentes! e não há nenhum jogo, a não ser o dos espelhos - e mesmo esse está cheio de armadilhas e permite um sem fim de batotas, de cada vez que não temos coragem para mudar no eu o que o outro nos mostra, e preferimos esperar que seja o outro a mudar o que nele, afinal, não gostamos de ver. a própria Lua, que esta noite será Lua cheia, em Carneiro, não ilumina o meu Sol em Balança, porque o Sol, ao contrário da Lua, tem sempre luz própria. 

hoje, o desenho que ilustra este texto e que fiz numa altura em que ainda me deixava iludir pelo brilho ofuscante da Lua - quiça pela personalidade esquizóide que alguém com o Sol e a Lua opostos no mapa sempre revela - vem mostrar-me que o eixo que liga o eu e o outro, apesar de contínuo, é feito de etapas, estações e apeadeiros e que talvez nem agora, depois de tanto caminho já feito, as duas espirais possam unir-se para dar origem ao movimento do oito infinito... 
primeiro, é preciso que cada uma seja infinita em si mesma, e inteira, acima de tudo, já que o mito da 'cara metade' é só e apenas outra versão dos contos de fadas. relações assentes na divisão de um ser em metades - tu completas a minha e eu eu troca completo-te a tua - são coisas de telenovela e das tais Belas que adormeceram a vê-las.

talvez eu própria ainda tenha algum sono e outros tantos resquícios de anos e anos de encantamentos, diria que quase genéticos, mas a verdade é que me sinto cada vez mais desperta. bela, mas acordando do sonho infantil das princesas patetas que se enfiam em redomas de vidro e ficam à mercê da chegada dos príncipes. Balança capaz de equilibrar tudo o que em mim não é complementar, mas oposto, tapando os buracos com terra e com ar e com fogo e com água. sarando o que tanto, e ainda, me dói, limando as arestas e ouvindo o meu coração que bate 
e que bate 
e que bate 
e que bate 
e desta vez entrando na dança que me propõe, muito mais do que caindo na ilusão de me agarrar a esse pulsar e lhe contar as batidas, para que encaixe numa qualquer pauta pré-concebida que só serve de banda sonora aos romances dos filmes.

11 comentários:

  1. Inês,

    Bela análise. Gostei muito e o artigo que recomenda é, também muito especial.

    Não esqueçamos que a Lua em Carneiro, lá bem no íntimo da alma, deseja ser a Nº 1. O que é magnífico.

    Vou partilhar.

    Bom fim-de-semana

    António

    ResponderEliminar
  2. Simplesmente luminoso! Bem-Haja Inês e um grande beijinho!

    ResponderEliminar
  3. Lá estás tu, Inês, mais uma vez imparável, linda, corajosa! poucas vezes te comento, porque me repito quando te leio, porque tu também te repetes neste modelo de assombro.

    ResponderEliminar
  4. Gostei muito....revejo-me neste papel completamente e mesmo sem ter a lua em carneiro ..( isso fica para o meu querido António, porque disso não entendo..)também me sinto uma princesa pateta á espera do que virá com magia ou ilusão..ou o que quer que seja...mas que venha! Gostei muito da forma fluída e perceptivel como escreveu...Um beijinho

    DULCE BENTO

    ResponderEliminar
  5. António, isso de a alma querer ser nº 1... tem muito que se lhe diga :) não será o Ego que deseja esse protagonismo?

    beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Olá, Inês,
    Gostei muito de sua lucidez, seu post me fez ler o último. Nossa, que lindo! Vc é intensa...
    Que sua dança, ao ritmo das batidas do seu coração, a leve até a Alma!
    Paz

    ResponderEliminar
  7. Manela, querida, será mesmo coragem? ou apenas terapia para que a minha asa ferida possa finalmente levantar voo e levar-me, não mais para o alto, mas mais para o fundo de mim?

    beijo grande, fica bem.

    ResponderEliminar
  8. querida Dulce, todas temos um pouco de 'princesas patetas'. o que é importante é não nos deixarmos apatetar com isso :)

    tudo de bom e um abraço.

    ResponderEliminar
  9. querida Lucia, que as batidas dos corações de nós todos possam pulsar em uníssono. e seja bem vinda a esta minha 'casa'.

    um beijo

    ResponderEliminar
  10. fantáaaassstica a tua análise, Inês!!!!

    ResponderEliminar